Tem alguém aí?

Desde o início dos anos 2000 as relações das mídias com os consumidores vêm apresentando mudanças significativas. O receptor até os anos 90 era percebido como passivo, sentado em sua poltrona, absorvendo tudo o que lhe era mostrado. Em alguns estudos eram chamados de receptores esponja. Com o desenvolvimento da tecnologia, iniciada pelo vídeo-cassete (lembram dele ainda?) que ajudou a editar e ver a programação na hora desejada; pelo controle remoto que nos fez discutir o efeito zapping, este receptor passou a estabelecer uma relação ativa, buscando editar conteúdo, alterando seus formatos de recepção e deixando a pergunta Tem alguém aí? cada vez mais constante em nossas tentativas de alcançá-lo. Austin & Aitchison (2007), ao lançar a obra em 2003 nos EUA, propuseram a discussão da geração de ideias, da inovação, da mudança no gerenciamento de investimentos, bem como o retorno sobre os mesmos. O livro transita sobre vários aspectos já adotados por muitos anunciantes mundo afora, mas, é ainda atual quando estamos cotidianamente achando que somente o mundo digital nos trará visibilidade, e muitas vezes não consideramos a importância da ideia que está sendo transmitida neste mundo abrangente e sempre em movimento. Os valores que conseguimos agregar às marcas e seus consumidores passam por profundas mudanças, e a tal inovação, fundamental para qualquer negócio em qualquer lugar do mundo, acaba sendo muitas vezes entendida como obrigatória nesta nova dinâmica. O mundo digital também deve transitar pelo conceito de marcas humanizadas. Há um novo relacionamento entre os consumidores, marcas e os canais de mídia. Vamos conversar?