Marcas que marcam!

O que Jô Soares, Sherlock Holmes e Carlitos têm em comum? Errou quem imaginou cinema ou literatura. Mas acertou quem, lá no subconsciente, visualizou uma gravata borboleta e um par de óculos redondos, ou um cachimbo e uma lupa, ou mesmo uma bengala e um chapéu coco. A marca pode ser um referencial mais forte do que imaginamos. E ela não está necessariamente ligada ao nome, mas sim à ideia que ele representa.

Não é por outra razão que, apesar o forte apelo do nome, a Coca Cola, por exemplo, jamais abandonará a garrafa de silhueta esguia que a caracterizou através dos tempos. Quando você vê aquele perfil já sabe do que se trata, ainda que esteja contra a luz. Uma marca que pode ser reconhecida pelo tato, ao deslizarmos os dedos ao longo de sua superfície. Fantástico, não é mesmo?

E marca é tudo, acreditem! Mesmo aqueles que dizem não ligar para isso, no fundo querem ser lembrados por uma marca pessoal: a de alguém que não liga para rótulos. E que marca mais original pode haver? Lembre disso sempre olhar para aquela maçã mordida, estampada nas costas do seu smartphone! Você sabe muito bem de quem estou falando, não sabe?

Então, já pensou em como a sua marca pode deixar marcas em quem a vê? Vamos humanizar sua marca? #humanizandomarcas